MILHARES DE FÃS RUMARAM À CATEDRAL DE FAFE

De novo penalizados pela sua posição de partida para os troços, limpando-os da muita areia e pedras neles acumulados, as duplas Mads Ostberg/Torstein Eriksen e Craig Breen/ Scott Martin usaram esta última etapa para trabalhar nas afinações do C3 WRC em situações de pouca aderência, ao mesmo tempo que garantiram os pontos referentes aos 6º e 7º lugares que, respetivamente, conquistaram para o Citroën Total Abu Dhabi WRT.

 

Já presentes em grande número nas especiais anteriores, os particularmente entusiastas fãs portuguesas, delocaram-se aos milhares até Fafe, neste dia final de competição. A oportunidade de ver os pilotos do WRC neste autêntico templo do Rally de Portugal apresentou-se-lhes em dose dupla, culminando num trampolim natural, tantas vezes abordado com alma, colocando à prova o sentimento de ataque dos pilotos, como a capacidade de absorção do impacto por parte das viaturas.

De novo prejudicados pelas suas posições na estrada, Mads Ostberg (a abrir os troços) e Craig Breen (logo a seguir) tiraram o melhor partido desta etapa final para continuar a trabalhar no desenvolvimento dos C3 WRC em condições de baixa aderência, terminando o rali luso na 6ª e 7ª posições, respetivamente.

Com uma ordem de partida revista para a Power Stage, Ostberg foi, neste particular, o 8º mais rápido a cumprir o troço de 11,18 km, demonstrando as qualidades de robustez do seu C3 WRC, ficando a apenas 4,8 segundos do piloto mais lesto. Cumprindo com os desafios que lhe haviam sido colocados, o norueguês provou estar cada vez mais à vontade ao volante do C3 WRC, preparando-se para elevar ainda mais a fasquia no próximo destino do seu programa de provas: a Sardenha.

Comments